29 de Abril de 2011 ♥

segunda-feira, 9 de abril de 2012

 Está quase a fazer um ano e ainda hoje eu não sei o que nos une há tanto tempo. Penso nisso várias vezes, mas sinceramente não me interessa saber, nem hoje nem nunca. Só quero continuar assim contigo, feliz! Às vezes não tenho bem noção da nossa relação, das horas que tu perdeste comigo com o único intuito de me devolver um sorriso. Já estou tão habituada a ti, que me esqueço que sem ti não tinha chegado onde cheguei, nunca tinha conseguido o que já consegui. Adoro quando estamos sozinhos, quando podemos ser exactamente quem somos sem receio que alguém nos julgue. É tão único o momento em que não são precisas palavras para exprimir  o que sentimos. Nós somos assim, não é? Tão unidos e tão dependentes um do outro. Os nossos pensamentos já são os mesmos e a telepatia entre nós tornou-se inexplicável. Adivinhas o que estou a sentir sem fazeres grande esforço e basta um pequeno gesto teu para me deixar calma. Conheces-me bem e graças a isso aprendeste a tomar tão bem conta de mim.
Talvez esteja mimada demais. Amo-te, sabes? Obrigada por me dares estes 11 meses.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Será que alguma vez esteve ali alguém, para mim? Será que em alguma ocasião eu tive alguém que me secasse as lágrimas, que me aquecesse o coração? Preciso de confirmar se a questão que faço à anos tem verdadeiramente o seu sentido e significado, preciso que alguém me encaminhe para a resposta, porque eu perdi-me e cansei-me de me enganar a mim mesma. É tão fácil rebaixar alguém, dizer-lhe simplesmente que não há motivo para ele existir, é tão fácil colocar todas as nossas inseguranças, problemas, pensamentos e revoltas noutra pessoa, ficamos mais leves não é verdade?

domingo, 27 de novembro de 2011

volta , porfavor ;

 Não me lembro de chorar assim tanto. Já nem sequer me lembrava da força que exercemos para não chorar em determinado momento, ou da falta de ar tão profunda que nos invade. É difícil demais, ter-te tão perto, mas ao mesmo tempo tão distante de mim. Estás a duvidar de mim, da nossa relação, estás a culpar-me de algo que nunca me passaria pela cabeça fazer. És a pessoa mais importante para mim neste momento, és a metade que agora me faz falta. É tão doloroso ter de discutir contigo, ouvir as tuas duras palavras e ganhar ainda força para conseguir dizer-te que o que sinto por ti está acima de qualquer coisa. Se soubesses o quanto dói não poder sentir-te aqui, bem perto de mim, se soubesses o quanto custa acreditar que isto está mesmo a acontecer. Sabes que mais? A nossa relação tornou-se profunda demais e agora, é impossível apagar certas memórias, certos sentimentos que se fazem acompanhar de momentos inexplicáveis. És tudo o que me resta, és as folhas de papel que permanecem em branco depois de inúmeras tentativas de expressar aquilo que eu apenas sinto. Tenho saudades... de quando me abraçavas e me davas beijinhos no pescoço, de quando me sussurravas ao ouvido que me amavas.. De me envolveres nos teus braços com força, nunca me largando. Marcaste-me muito e agora eu simplesmente não sei como viver sem ti, não sei como lidar com a tua ausência. Eu só preciso que me compreendas, que abras os olhos e vejas a verdadeira realidade, eu preciso que voltes para mim, porque eu não sei mais o que fazer para que as lágrimas sequem. Amo-te