29 de Abril de 2011 ♥

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Algo



Não sei porque não escrevo tanto como dantes. Não percebo porque é que não "desabafo" como dantes. Talvez tenha medo, medo de escrever algo que me faça mudar. A única certeza, a única certeza é que estou diferente. Deixei de ser tão sensível quanto antes. Talvez a sensibilidade foi algo que me tiraram e que muito dificilmente será recuperada. Não consigo pensar certo sobre isto que estou neste momento a escrever. Apenas sei que sinto a obrigação de escrever e não a necessidade. Apesar de, se neste momento estou a escrever, significa que tenho a necessidade de o fazer. Ou então, tenho a necessidade de obrigação de escrever. São teorias disfarçadas, extremamente complexas que invadem a minha mente e que a tornam mais súbtil. Existe a necessidade de explicar o inexplicável, de descrever o indiscriptivel. O meu objectivo, esse é de tal maneira incerto que não o consigo sequer exercer completamente. Por vezes coloco os fones nos ouvidos e ouço algo calmo, enquanto caminho e observo a grande imensidão de uma cidade. Sinto-me isolada nesse momento, como que se tudo o resto á minha volta fossem apenas memórias de algo que tinha vivido no passado. Existem fases da vida em que não se tem qualquer noção do que se está a seguir. Eu estou numa dessas fases. Deixo que algo ou alguém me guie ou talvez cuide de mim se é que esse algo ou alguém existe. Não espero que me deêm o que quero, até porque até isso é algo incerto. Não espero que me deixem ser livre, pois isso é algo bastante difícil de ser, algo que precisa de ser encontrado e construído, num mundo diferente, com alguém ou com mentes diferentes. Se eu assim o fosse, tudo seria delicadamente mais bonito. Não existiria por quem correr, não existiria por quem sofrer. Apenas sentíamos o tão sensível e gelado vento a bater contra o nosso rosto. Sentiríamos vontade de chorar quando sentíssemos que podíamos caminhar descalços sem ferir os pés. Este é um sentimento de liberdade. Muitos falam dela, mas nunca ninguém pôde descrever ou explicar ao certo o que é esse "emprego" tão diferente. Tantos que pensam nela, mas desistem de segui-la apenas por terem demasiados contra-tempos. Não sei o que é isto que escrevi, nem sequer sei porque o fiz. Talvez tenha necessidade, talvez seja obrigatório. As pessoas queixam-se por terem demasiadas questões e poucas respostas, talvez nunca tentaram encontrar e decorar as respostas e depois sim fazer e inventar as questões.

Catarina Semedo


Eddie Vedder - Rise

2 + 1?:

Missy kaulitz disse...

miuda tens imenso jeito pra escrita adorei o blog:D

Pai disse...

Olá... Passei só para dizer que estive aqui e já li tudo :)

Com tantas palavras fica dificil eu exprimir me sobre elas... Tu escreves muito bem.... com essa idade já és um talento. Parabéns! Gostei muito do teu blog!