29 de Abril de 2011 ♥

domingo, 23 de maio de 2010

Tenho cada vez mais a necessidade de descrever o que sinto, mesmo não sabendo como ou porquê.
Sinto cada vez mais, a ignorância por parte de todos os que estão à minha volta. Tenho cada vez mais saudade, daquilo que a saudade não poderei matar. O mundo está de novo a preto e branco, sem uma única cor que me facilite a visão para o infinito. O chão está tão inseguro e tão escorregadio. A parede onde me costumo apoiar, agora cai, sempre que a ela me encosto. A tua mão, que eu gostava tanto de segurar, largou a minha, e deixou que o resto do meu corpo caísse no chão. As minhas lágrimas ainda não secaram e as minhas mãos estão encharcadas, de as enxergar. O meu coração derrama constantemente sangue e os seus batimentos estão cada vez mais lentos.
O meu respirar está frágil, e é pouco o ar que sai dos meus pulmões. Cheguei a um profundo silêncio, em que as palavra já não fluem, e em que o sorriso se esconde.


Catarina Semedo.

1 + 1?:

PauloSilva disse...

Sem dúvida que adorei (: