29 de Abril de 2011 ♥

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Desabafo.

Entrelaçada nos vossos braços, que não me deixam cair eu me pergunto: O que é o amor? Que sentimento estranho é este, que perdura em mim por tanto tempo? Sim, eu sei. Muitos de vocês não sabem o que responder, nem sequer têm certezas do que pensam em relação a isto. Se eu lhe contasse a nossa história, será que ele estaria disposto a ouvi-la? Ele conhece-a, mas esqueceu-a. Ele sabe de cor tudo aquilo que vivemos, mas não! Ele esqueceu tudo! Ele criou o fim à sua maneira, sem pensar em mim! Sinto falta da sua presença, que me enchia por completo de felicidade. Sinto falta do meu, e do seu sorriso! Difícil..encarar que o passado não terá mais influências sobre o futuro. Sinto-me vazia, sem música que me acompanhe, sem palavras que me confortem, sem sentimento que me acalme. Eras a brisa que me rasgava um sorriso, eras quem me levava pra longe sem qualquer destino! Sabes quanto tempo passou? 1 ano e 4 meses. Ainda continuas a ser a única pessoa que conseguiu originar em mim uma espécie de felicidade de enorme imensidão, algo inexplicável, imperceptível aos olhos de quem vê. Tenho dentro de mim a enorme vontade de gritar! De libertar para o mundo tudo o que sinto neste momento! Dou-vos as minhas lágrimas, ofereço-vos o meu coração, doo-vos o meu sentimento, tudo isto para que consigam sentir a minha dor! Preciso de alguém que me compreenda e não de alguém que me odeie por ser tão fraca! O meu coração pesa tanto. Posso desistir? Posso simplesmente, ir-me embora? Estou num ponto em que não consigo ajudar os outros quanto mais a mim própria. Não me julguem por amar tanto alguém! Não me queiram matar por não saber o que fazer! Não me digam pra esquecer, o que eu há mais de um ano tento ignorar!

5 + 1?:

Anónimo disse...

Não te odeio por seres fraca, não te odeio por quereres desistir, não te odeio por te quereres ir embora.. Simplesmente, não te odeio. Não te julgo, e muito te direi o que fazer. Compreendo-te, precisas de mim? Eu estou aqui!

Andreia Meireles disse...

Hey :D Venho por este meio avisar, que depois de ter dado fim ao blog More Than Words, lembraste ? Criei um outro, Estrela Cadente, queres seguir ? Experimenta, vai lendo os meus textos e depois decides se queres seguir ou não deixo-te o meu link : http://uma-estrela-cadente.blogspot.com/

Beijinhos e muitas estrelinhas *

- Shorty. disse...

woow, está lindo.
- triste, mas lindo. :x

Paula disse...

Não estou aqui para te julgar, não estou aqui porque te odeio, não estou aqui para te dizer para o esqueceres. Estou aqui sim, para que saibas que já passei por uma situação idêntica. Não sei se foi assim no teu caso, mas no meu, ele fez-me sofrer muito. Eludiu-me, traiu-me, desrespeitou-me, tentou mentir-me e mesmo assim (...) após um ano, durante um ano, jamais me consegui libertar dele. Por fim, voltei a cair no erro de o perdoar. Porém não durou muito tempo até eu perceber que, afinal já não era ele que não queria estar comigo mas sim eu que não queria estar com ele. Se quiseres falar sobre a tua história, estarei por aqui :) beijinhos *

- "Não há amor humano que não decepcione, pois ele não é mais do que uma porta para um amor maior." -

Paula disse...

Desculpa aquilo que te vou dizer, jamais deixo de te perceber. Mas uma pessoa que toma tais atitudes como, "deixar-te" só por causa do primeiro obstáculo que aparece - distância - , porém depois alimenta esperanças (estando comprometido), a seguir volta a partir sem motivo aparente e repente toda a situação da mesma forma. Ou ele nunca soube realmente amar-te e respeitar-te, ou então simplesmente nunca teve a real noção das porcarias que andava a fazer, ou, em ultimo caso, sempre teve intenções de fazer tudo tal e qual como fez sem sequer se preocupar se sofrias ou não. Eu sei, é muito difícil ouvirmos estas coisas, eu senti o mesmo em relação ao mesmo ex-namorado. Mesmo depois de desvendar todas as borradas , depois de perceber a gravidade da situação, a deslealdade por qual estava a passar. Depois de tudo isto e ainda ele me querer desmentir com os factos expostos na mesa, eu perdoei-o. Na altura realmente não sabia o erro que estava a cometer, pois as promessas e declarações dele eram em vão, ouvi muitas pessoas me dizerem "ele gosta mesmo de ti, és o seu primeiro amor", mas ao mesmo tempo, as mais sábias apenas me alertavam "olha que ele não presta, ele se gostasse de ti não te traia, ou então não o desmentia depois com todo o seu descaramento. Vais sair magoada se dás mais asas a essa relação sem "destino"." E assim foi, errei ao perdoa-lo, e no fim voltei a sofrer. As lágrimas dele eram falsas, cínicas, de alguém que nunca soube realmente o que é amar.
Desde o momento que percebi que afinal era eu que já não queria estar com ele, que finalmente tinha caído com os pés na terra, fui eu que lhe dei com os pés. E acredita, isto é horrível de se dizer, mas senti-me muito bem ao fazê-lo. Finalmente percebi que ele nunca me mereceu e muito menos o meu respeito e preocupação. É nisso que tu tens de te mentalizar. Eu sei que é difícil , mas vai ser o melhor para ti .Quando uma porta se fecha, abre-se sempre uma janela. Acredita, a tua felicidade está a uma janela de distância. Força :D